Inf. Técnicas

Aqui você encontra dicas, reportagens e entrevistas sobre o mercado agropecuário. Para sugerir alguma publicação, entre em contato.


Zinco em cafeeiros novos - cuidado com intoxicação


O Zinco é um micro-nutriente muito importante para o cafeeiro. Sua deficiência causa redução e endurecimento das folhas novas, redução no tamanho dos frutos e encurtamento dos internódios dos ramos, com isso diminuindo o seu crescimento, e provocando o acinturamento das plantas.

Mas, como tudo, o zinco em excesso causa prejuízos, especialmente em cafeeiros novos. Esta situação de toxidez tem ocorrido no campo e muitos técnicos e produtores ficam sem saber do que se trata.

As plantas jovens com excesso de zinco ficam com crescimento amarrado, a folhagem passa para uma cor verde amarelado e as folhas se tornam pequenas, sem, entretanto, ficarem coriáceas, como ocorre na deficiência desse nutriente. O sintoma mais típico ocorre nas raízes. Elas crescem pouco e formam uma espécie de tufo, com grande numero de raízes secundárias, de tamanho pequeno, em volta da raiz principal.

As condições onde mais ocorre a toxidez pelo zinco estão relacionadas à incorporação do nutriente ao solo, vez que o zinco praticamente não caminha em profundidade em solos argilosos.

Assim, a toxidez é frequente na substituição de lavouras velhas de café, as quais receberam aplicações de zinco, por longos anos, normalmente via foliar. Sob a saia dos cafeeiros o nutriente vai se acumulando no solo, mas ali, na superfície, não causa mal. Quando da aração ou do coveamento, especialmente quando se arrasta o solo, junto com detritos, da superfície pra dentro da cova/sulco, o zinco acaba ficando em profundidade e ali é bem absorvido pelas raízes, nas quais se acumula, podendo atingir teores de até mais de 1000 ppm nelas.

A outra situação frequente de toxidez ocorre em plantios de café em áreas antes com vários anos de plantio de milho. A razão da toxidez é o uso, na cultura do milho, de pesadas doses de zinco no adubo. Então este micro-nutriente vai se acumulando no solo e, quando do plantio do café ,ele passa a ser prejudicial aos cafeeiros jovens. Muita gente, por isso, sempre acha difícil formar café depois de cultivar milho numa área. Alguns trabalhos até apontam para um tipo de alelopatia (substância prejudicial) do milho para com o café. Porém, o que temos visto na prática é a toxidez pelo próprio zinco.

Situação semelhante de toxidez tem ocorrido na Zona da mata de Minas em área antes plantada com tomate, cultura onde se usa muito micro-nutrientes e o solo fica rico em zinco.

Em situações de forte toxidez as plantas novas amarelecem e acabam morrendo, sendo necessária a replanta.

Os experimentos efetuados, no campo e em vasos, mostram que teores no solo acima de 2-3 ppm de zinco já podem ser tóxicos, especialmente a plantas jovens de café.

No quadro aqui incluído pode-se ver o efeito da adição exagerada de zinco ao solo, em vasos, sobre a redução de crescimento do cafeeiro. Nota-se que na análise de folhas o diferencial foi pequeno, indicando que houve retenção do zinco pelo sistema radicular. Portanto, a análise de solo é o instrumento mais adequado para evitar a aplicação de zinco em excesso.

Quadro – Teores de Zn, nas folhas e no solo, e crescimento em mudas de café, com adição de doses de sulfato de zinco ao solo, em vasos.

Voltar Imprimir

Como ser sócio?

Clique no botão ao lado e veja como é fácil tornar-se um sócio da Coocafé

Newsletter